Assinatura RSS

A CENSURA está onde a gente menos espera

Artigo reproduzido na integra do Novae

Cristina Moreno de Castro, do Tamos com Raiva

Nos Estados Unidos, Espanha e Inglaterra, a justiça já está sendo acionada com freqüência para combater os trolls – comentários agressivos e provocadores – postados em blogs e sites. Ou seja, a moderação não basta como ferramenta de controle: o poder judiciário já está intervindo. Sobre isso, o jornalista Carlos Castilho escreveu um artigo, publicado no Observatório da Imprensa.

Foi com o aval da Justiça que os governantes do AI-5 censuravam jornais, apresentações teatrais e discos. Agora, não precisam fundamentalmente dela. Os próprios empresários da mídia fazem esse papel de controladores políticos e ideológicos. E não moderam apenas os comentários ofensivos, mas aqueles que dizem algo que vai de encontro às idéias dos patrocinadores e anunciantes e dos próprios donos dos veículos.

O pior é que a censura está chegando à blogosfera, um espaço que considerávamos, até então, muito mais livre que qualquer outro veículo midiático. Em 19 de abril meu pai – o jornalista José de Souza Castro, que colabora aqui no Tamos com Raiva – fez o seguinte comentário no blog do Noblat:

Parabéns ao Globo. Finalmente, ele resolveu pegar pesado contra os bicheiros. Lá pelos idos de 1993, eu estava na sucursal mineira e mandei ao Rio reportagem de uma página sobre o ingresso dos bicheiros cariocas no Sul de Minas. Em São Lourenço, o candidato a prefeito que mais gastava na campanha era neto de um bicheiro famoso na década de 50, o Tenório Cavalcanti, o Homem da Capa Preta. Minha reportagem chegou a ser anunciada na noite de sábado na TV Globo, no “leia amanhã no Globo”, mas foi substituída às pressas por um calhau de uma página. Acho, mas não tenho provas, que Roberto Marinho soube da matéria por aquele anúncio e mandou tirar, cumprindo assim a profecia de Tenorinho, o candidato.

Não teve nada de ofensivo, mentiroso ou outro adjetivo do tipo que desqualificasse sua publicação. Mas fez uma crítica ao grupo de Robert Marinho, que, por sinal, paga o salário de Ricardo Noblat. E foi censurado; não chegou nem a ser publicado.

Muito pior foi a censura que ele sofreu esta semana no Portal Comunique-se. Pior, porque considero que um site voltado para jornalistas, que se propõe a avaliar criticamente a mídia e, inclusive, combater a censura, não pode ir excluindo comentários sem explicação. No último dia 26, meu pai comentou o artigo de Moacir Japiassu sobre o fato de as mulheres enviarem calcinhas para as Embaixadas de Mianmar como protesto contra a repressão no país:

“Como protesto, mulheres enviam calcinhas a Embaixadas de Mianmar”. Se a moda pega, tem um juiz em Sete Lagoas (MG), que vai poder montar uma loja de calcinhas. Em suas sentenças que contrariam a Lei Maria da Penha, ele diz barbaridades tais: “A desgraça humana começou no Éden: por causa da mulher, todos nós sabemos, mas também em virtude da ingenuidade, da tolice e da fragilidade emocional do homem”; “O mundo é masculino! A idéia que temos de Deus é masculina! Jesus foi homem!”; “A vingar esse conjunto de regras diabólicas, a família estará em perigo, como inclusive já está: desfacelada, os filhos sem regras, porque sem pais; o homem subjugado”; e “Esta Lei Maria da Penha – como posta ou editada – é portanto de uma heresia manifesta. Herética porque é antiética; herética porque fere a lógica de Deus; herética porque é inconstitucional e por tudo isso flagrantemente inconstitucional e por tudo isso flagrantemente injusta”.

Três dias depois, o Comunique-se retirou o comentário do ar e colocou em seu lugar o seguinte aviso:

Ao perceber a censura, meu pai resolveu publicar novamente tudo o que tinha escrito (ele salva os comentários no Word), acho que para tentar atiçar a indignação dos colegas que comentam no mesmo espaço. O pior é que não conseguiu. Embora os jornalistas José Truda Júnior, Jonas S. Marcondes e Talis Andrade viessem a público dizer, a seu modo, que era um absurdo aquela censura, houve quem dissesse que “São as regras do jogo. Participa quem quer”. Eu havia feito o seguinte comentário, incitando a manifestação do Comunique-se (que, obviamente, nunca aconteceu):

Mas, em resposta, o jornalista Fábio José de Mello, o mesmo que defendeu “as regras do jogo”, disse que “esse papo furado de censura” era “melodrama mexicano”. E veio adiante com o conceito do Houaiss para a palavra, tentar desmentir a censura que o Comunique-se fez:

Ele mesmo se contradiz claramente. Porque, se o Houaiss diz que, com base em critérios de caráter moral ou político, a censura decide sobre a conveniência ou não de liberar um texto para publicação, houve, sim, censura. O comentário de José de Castro foi publicado em 26/10, mas logo em seguida o Portal definiu que não era “conveniente” continuar a exibi-lo “para o público em geral”. Felizmente o site soube preservar o bom senso ao não censurar de novo três dias depois, quando meu pai resolveu fazer sua provocação.

No mesmo dia em que meu pai foi censurado, DOZE comentários feitos pelo jornalista Juarez Alves Porto tiveram o mesmo destino. Curiosamente, os comentários mais críticos às posições desse Fábio Mello – um ex-funcionário do Comunique-se e uma pessoa ainda influente naquele Portal.

Mas é muito triste ver que os próprios jornalistas já se acostumaram ao fato de serem censurados. Esse comodismo explica, em grande parte, por que Aécio Neves consegue manter o controle da mídia em Minas Gerais há tanto tempo. Não conseguiria se os próprios jornalistas (principalmente os que detêm algum cargo de chefia) não fossem coniventes com esta política. E não é preciso ir mais longe para ilustrar o tanto que a censura pode ser maléfica para toda a sociedade. Aécio não tem oposição. Os problemas de seu governo parecem não dizer respeito ao papel tradicional da imprensa – o de acompanhar criticamente os três poderes – e, conseqüentemente, não chegam até a sociedade. E é esse o cara que vai chegar à presidência da República em 2010 ou 2014, se ele conseguir também controlar os blogs.

———————-

Nota: No dia 12/11/2007, o editor de interatividade do Globo Online, Paulo Mussoi, escreveu o seguinte esclarecimento na parte de comentários do Observatório da Imprensa, onde este artigo também foi publicado:

“Prezada Cristina Moreno: na condição de editor de interatividade do Globo Online, quero esclarecer que, ao contrário do que afirma seu artigo, o comentário enviado pelo jornalista José de Souza Castro, seu pai, ao Blog do Noblat jamais foi censurado. Está no ar desde o dia de sua publicação, que não ocorreu em 19 de abril, como vc afirma, mas sim em 23 de abril, quatro dias após. O comentário pode ser visto a partir do link: http://oglobo.globo.com/pais/noblat/post.asp?cod_Post=55671 Sobre este caso, porém, convém esclarecer que, de fato, a expressão ’Roberto Marinho’, tanto nos blogs quanto nas demais áreas de interatividade do Globo Online, não é publicada automaticamente. Um filtro de palavras previamente estabelecido deixa o comentário que contém esta expressão pendente para aprovação posterior, o que no do seu pai ocorreu cerca de quatro horas após o envio do texto. A razão para esse cuidado é evitar que ofensas pesadas, sem fundamento e geralmente anônimas envolvendo a memória do ex-presidente do Globo sejam publicadas desnecessariamente no jornal que ele comandou por 70 anos. Nestes tempos em que os trolls se tornam cada vez mais uma ameaça ao debate democrático na internet, creio que essa medida preventiva – que passa longe da censura ideológica e é pautada meramente pelo bom senso – seja plenamente justificável. Att, Paulo Mussoi, editor O Globo Online.”


Em resposta, comentei o seguinte, no dia 13/11/2007:

“Caro Paulo Mussoi, Obrigada pelos esclarecimentos; fiquei satisfeita ao conferir que o comentário, no fim das contas, não foi censurado. Esse filtro de que o senhor nos fala já deve ter causado a mesma impressão que nos causou a outros leitores, justamente porque dificilmente alguém acompanha um artigo durante quatro horas para saber se teve um comentário aprovado. Mas eu deveria ter retornado até o site, sete meses depois, antes de citá-lo como exemplo em meu artigo. Para corrigir esta falha, coloquei seus esclarecimentos também no Tamos com Raiva e na NovaE, onde este artigo também foi publicado.


De todo modo, achei muito interessante esse sistema de filtragem adotado por vocês na luta contra os trolls. Seria muito válido para os leitores deste Observatório – penso eu – se o senhor divulgasse outros vocábulos barrados por este filtro. ’Lula’ seria um deles? ’Fernando Henrique’? Fica a sugestão.”

Anúncios

Sobre João Carlos Caribé

Consultor Trandisciplinar, formado em Publicidade e pós graduado em Mídias Digitais. Foi um dos pioneiros do ciberativismo pela liberdade na Internet, conquistando o prêmio Frida em 2011 pelo trabalho desempenhado na defesa da liberdade na Internet no Brasil. Também sou conselheiro no primeiro Conselho de Coordenação da NETmundial Initiative e membro do comitê executivo da NCUC na ICANN, ambos representando a sociedade civil da América Latina e Caribe. Também sou membro da Internet Society Brasil, Red Latam, BestBits, Comunidade Diplo, Dynamic Coalition on Network Neutrality and Global Net Neutrality Coalition.

»

  1. Oi João!

    Vi seu comentário lá na NovaE e vim conferir seu site “Censura Não!” (nome e proposta atraentes por si só).

    Achei muito bacana seu trabalho e quero voltar aqui mais vezes.

    Eu também defendo uma liberdade de expressão e manifestação completas, como a que adoto no meu Tamos com Raiva: quem quiser escrever o que quiser, na parte de comentários, fica à vontade para isso. Se for ofensivo, ou coisa do tipo, poderá ter uma resposta no mesmo nível. Mas, felizmente, raras foram as vezes em que tive esse tipo de baixaria; geralmente há um debate interessante por lá.

    Mas, vale ressaltar: é muito diferente a “censura” (como a exercida, sem quaisquer esclarecimentos, pelo Comunique-se) de uma simples “moderação”. A moderação, como a que a NovaE faz, geralmente exclui apenas agressões pessoais, que extrapolam o caráter político das discussões dos artigos. O que, apesar de eu não adotar no meu blog, considero válido, principalmente quando em sites já com um grande número de leitores fixos, como a NovaE. É o mesmo tipo de moderação que se faz na escolha das “cartas aos leitores” nas redações de jornais. Ou que um site de relacionamento, do tipo do Orkut, faz ao deletar propagandas de sites que “aumentam o tamanho do pênis” e afins. Enfim, acho que é importante ressaltar essa diferença.

    Também vale a pena dizer que, nesses quatro meses que colaboro freqüentemente na NovaE, praticamente não vi essa moderação ser exercida.

    No mais, muito obrigada pelo comentário deixado lá e pela divulgação por aqui! :)

    Grande abraço!

    Responder
  2. fábio José de mello

    “Juarez Alves Porto” está vivo e é agricultor. Não sabe que teve o seu nome indevidamente utilizado por Delmar Marques de Souza, recentemente falecido.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: